Minhocário... como fazer?! Com quantas minhocas começo?!

Updated: Dec 21, 2019

Considerando que produzimos 600 gramas de lixo orgânico por dia, é uma necessidade destinarmos de forma mais sustentável nossos resíduos para que eles não acabem parando em lixões e aterros, contaminando solos e lençóis freáticos, produzindo inclusive o gás metano. Aprender a fazer uma composteira evita esse tipo de emissão e ainda produz um recurso muito rico: o húmus! Além disso, também faz bem à saúde. De acordo com um estudo, o contato com uma bactéria presente no húmus funciona como um antidepressivo, diminui alergias, dor e náusea.

Uma dúvida frequente é com quantas minhocas devemos começar um minhocário. Segundo literatura especializada, a quantidade ideal de minhocas para se iniciar uma criação são 1.000 minhocas por metro quadrado. Mas é preciso considerar que essa quantidade está indicada para minhocários em valas ou montes, com resíduos ou estercos previamente compostados. Além disso, minhocários domésticos não são previamente cheios, e sim recebem os resíduos orgânicos na medida em que são gerados em casa. Por essas razões, a quantidade de minhocas para um minhocário doméstico precisa ser um pouco menor. Dimensionando a quantidade recomendada para um minhocário doméstico com duas caixas de 45cm x 35cm x 20cm (aproximadamente 0,16 m2), o número para começar não deve ser superior a 120 minhocas adultas, lembrando que é preciso colocar cerca de dois dedos de húmus na caixa antes de colocar as minhocas. Em dois meses a população deverá dobrar e, em quatro, já será capaz de produzir.

Compre as minhocas para sua composteira. Não utilize as minhocas que você achar no seu jardim. Existem minhocas mais apropriadas para seu ecossistema que são vendidas em lojas de jardinagem, de produtos agrícolas ou na internet. Nós aqui no Projeto Ecovila Muriqui Assu, produzimos "Humus" em minhocários, para uso em nossa própria agricultura, no entanto muitas vezes temos excedente para comercialização! Caso haja interesse e tenhamos disponí-veis, os valores e o contato se encontram no final do artigo!

A minhoca mais utilizada é a "minhoca californiana vermelha" (Eisenia hortensis), que possui cerca de dez centímetros de comprimento e corpo vermelho. Estas são a que produzimos aqui no PEMA! Elas comem mais da metade do seu peso todos os dias e se reproduzem rapidamente. Elas mesmas fazem o controle de sua população. Algumas pessoas tem nojo ou receio em ter tantas minhocas em casa, mas elas não saem das caixas, não exa-lam cheiro e muito menos transmitem doenças.


No início, alimente-as apenas um vez por semana com pequenas porções acumuladas em um canto. Quando elas começarem a se reproduzir, dê uma proporção de 25% de material orgânico por metro quadrado semanalmente. Sempre após acrescentar o material orgânico cubra os alimentos com serragem ou folhas secas, em uma proporção de 1:3 respectivamente.


As minhoca comem restos de vegetais e de frutas, vários tipos de grãos, folhas de chá, borra de café e cascas de ovos. Misture o material orgânico ao alimentar as minhocas, o que afastará moscas. Se puder, triture o material orgânico antes de introduzi-lo na caixa de compostagem, isso fará com que as minhocas o comam mais rápido ao digerir alimentos menores. Não alimente as minhocas com alimentos difíceis de digerir, por exemplo:


*Alimentos cítricos (não devem compor mais que 1/5 da dieta);

*Carne

*Gorduras ou restos de alimentos gordurosos

*Laticínios

*Fezes caninas ou felinas (existe outra composteira para estes)

*Galhos, sejam eles grossos ou finos


Não alimente demais suas minhoca. Se você der mais alimento do que elas conseguem digerir o recipiente irá começar a exalar mau cheiro devido à decomposição por meio dos micro-organismos, fazendo o sistema superaquecer, matando seus bichinhos.

O processo não acaba ao inserir os resíduos, sua composteira precisa de cuidados para resultar em minhocas saudáveis e um bom funcionamento do sistema. A aeração é um fator importantíssimo na vermicomposteira, deve-se mexer o material orgânico periodicamente. A primeira aeração deve ocorrer na fase termofílica, ou seja, quando o material orgânico estiver quente. Após aproximadamente 15 dias do começo da compostagem revire o material orgânico e depois repita o procedimento cerca de uma vez por semana.


Sem a presença de oxigênio há um atraso na decomposição dos resíduos e a produção de maus odores como gás sulfídrico e compostos com enxofre que atraem moscas. Caso isso ocorra revolva mais vezes a caixa com o material orgânico e pare de acrescentar resíduos até o sistema voltar ao normal.


Leva aproximadamente um mês para que a caixa superior fique cheia: quando isso acontecer, troque-a com a caixa intermediária, que deve ter tido um cuidado anterior - a colocação de dois dedos de terra misturada com serragem, fazendo a vez da cama para as minhocas.


Nessa segunda caixa, elas devem se sentir mais seguras, já que não há alterações de temperatura e nem de umidade. É um ambiente estável para a fuga das minhocas caso haja algum problema na caixa de cima. Deixe essa caixa descansando até que a caixa intermediária, que agora ocupou o lugar da superior, encha por completo, isto é, um mês para a caixa do topo encher e outro mês para a do meio ficar descansando e produzindo húmus.


A caixa coletora (próxima ao chão) deve ser esvaziada, ou ter seu líquido coletado pela torneirinha, semanalmente. Se este chorume não for drenado ocasionalmente os fluidos se acumulam, tornando o sistema anaeróbio (sem a presença de oxigênio), produzindo odores e toxinas que podem eventualmente exterminar as pobres minhocas.


A umidade também é um fator que deve ser observado constantemente, o material não pode estar nem encharcado nem seco, a umidade deve estar entra 55% e 60% e pode ser controlada com serragem.

A minhocas necessitam de um ambiente de pH compreendido entre 5 e 8 - fora desse intervalo, pode haver diminuição da sua atividade.


O metabolismo das minhocas fica baixo em temperaturas inferiores a 15°C; mais frio do que isso elas morrem; e em temperaturas altas, também


A relação carbono nitrogênio deve ser equilibrada, por exemplo, estercos e restos de comida são ricos em nitrogênio e as folhas e serragens são ricas em carbono. Geralmente, ao se colocar uma quantidade de restos de alimentos, é colocada três vezes essa quantidade em serragem ou folhas secas.


Com o passar do tempo, a caixa digestora intermediária irá se encher de húmus, chegando bem próxima à caixa de cima. A partir de então, as minhocas passarão para o outro recipiente e você poderá repetir o processo, agora com a caixa superior. Quando isso ocorrer, espere o processamento completo do húmus e a migração total das minhocas para a caixa superior. Quando isso ocorrer, retire o húmus da caixa intermediária e a inverta de posição com a que estava na parte de cima. Utilize o húmus para fortificar suas plantas e repita o processo.

O tempo necessário para a degradação da matéria orgânica na composteira depende de diversos fatores, que se deve ter uma atenção especial para obter os melhores resultados da compostagem. Geralmente com os fatores ótimos do meio da composteira, a compostagem acontece entre dois a três meses.


Quando pronto, o composto tem coloração escura, de cinza a preta. Teste em suas mãos a umidade deste composto, pegue uma amostra e molde-a com os dedos e esfregue-a contra palma da mão - se sua mão ficar limpa e o material se desfizer em pedaços, o composto está cru; se parte ficar na mão, deixando mancha como de café, o composto está semicurado; se sua mão ficar bem suja, o composto estará curado.


Abra a caixa na luz do dia e espere alguns minutos para que as minhocas desçam para outra caixa (elas não gostam de luminosidade). Retire o húmus superficial e espere mais alguns minutos para retirar outra camada.


Utilize esse adubo orgânico rico em nutrientes nas suas plantas ou horta caseira e veja a diferença no crescimento das plantas!

CONSTRUINDO O LAR DAS MINHOCAS!


Consiga um local que servirá para deter os restos de comida, regular a umidade do sistema e bloquear a luz (que é prejudicial para as minhocas). Existem diversos modelos de recipientes que são vendidos, mas você também pode improvisar um. O recipiente pode ser uma caixa de madeira que facilita a circulação de oxigênio e absorve a umidade.

As caixas de plástico empilháveis, ou baldes também podem ser usados, devendo ser opaco para bloquear a luz. É necessário que as caixas sejam perfeitamente empilháveis, encaixando facilmente umas nas outras, sendo as duas de cima as digestoras e a de baixo a coletora.

O ideal é empilhar três ou mais caixas, pois enquanto uma é alimentada com resíduos a outra vai realizando o processo de decomposição e assim alternadamente (caixas digestoras), a última será para coletar o biofertilizante (caixa coletora).

Para fazer a composteira é necessário fazer de 50 a 100 furos (varia conforme tamanho da caixa) de quatro a seis milímetros de diâmetro. Utilizando uma furadeira, faça vários furos pequenos no fundo das suas caixa. E na tampa é preciso fazer uma fileira com furos de 1 milímetro (mm) a 1,5 mm, respeitando o espaço de dois centímetros (cm) entre eles (atenção para que os furos não sejam feitos sobre o encaixe da tampa!), assim você cria uma passagem para que as minhocas possam migrar e o líquido gerado (biofertilizante) possa ser drenado até a última caixa coletora.

Essa caixa coletora de biofertilizante pode conter uma torneira para saída do líquido ou este pode ser retirado manualmente. O biofertilizante rico em nutrientes, pode ser diluído à uma proporção de 1/5 até 1/10, e ser borrifado nas folhas de sua horta caseira ou nas plantas de sua casa.

Alguns procedimentos são fundamentais:

* A caixa deve ter uma tampa (sem furos) para evitar que a luz entre e que seu composto fique ressecado.

* Coloque o recipiente em um local fresco e ventilado para que ele não superaqueça.


* Adicione as minhocas e deixe descansando por aproximadamente uma ou duas semanas antes de iniciar a colocação dos restos de alimentos - isso para que as minhocas se acostumem com o meio.

* Quando a primeira caixa fica cheia é preciso move-la para o meio. Isso permite os resíduos sejam totalmente compostados e processados pelas minhocas.

* Na caixa coletora, fure a lateral a fim de instalar uma torneirinha tipo bebedouro (opcional).

* Também é muito útil colocar um pedaço de tijolo que sirva de escada caso as minhocas desçam até essa caixa de baixo, para que não se afoguem no chorume. * É importante saber que as minhocas nunca descem de caixa, sempre sobem - se isso aconteceu é porque o ambiente de uma das caixas digestoras não está saudável, então é necessário verificar qual foi o erro.

* As dimensões das caixas podem variar com o tamanho da família e do local disponível para armazenar as caixas. Para um local pequeno é mais comum que se use as de 15 litros, com dimensões de 43 cm X 35 cm X 43 cm, ideal para casas com até três pessoas, com capacidade de 0,5 litro orgânico por dia. * Para ampliação de sua capacidade, acrescente caixas extras.

* Com uma população quadruplicada, o húmus estará pronto para separação em 4 semanas.

* Para fazer a separação, use uma peneira grossa número quatro. *Atenção: use o húmus em até seis meses após a coleta. Depois disso, passa a perder nutrientes.

Referências

Manual Prático Sobre Minhocultura de José Eduardo Pereira, Planet Natural, Livro: "Compostagem e Minhocultura"!

Créditos pela foto

Separating the worms by Comrogues e Nicolas Dias do P.E.M.A.

projetomuriquiasu.org https://www.projetomuriquiassu.org/contato Disponibilizamos 120 minhocas e 1kg de Humus = R$35,00 1 saco de 10kg de Humus = R$25,00 1 saco de terra preta adubada de 20kgs (adubo de cama galinha) = R$20,00

TEL, ZAP. 21987413823

0 views